Diálise Peritoneal

Uma atividade física, ainda que mínima, melhora a condição física e psicológica. Por isso, é aconselhado em qualquer idade. O doente em diálise peritoneal deve, caso as suas condições físicas o permitam, realizar exercício físico adequado à sua situação particular.

 

Após seis meses de caminhadas de meia hora, cinco dias por semana, as 20 pessoas observadas tinham os respetivos sistemas imunológicos mais fortes, em comparação com um mesmo número de pessoas sem especial atividade física, refere o artigo publicado no Jornal da Sociedade Americana de Nefrologia

 

A marcha é um bom exercício, todos os desportos de contato como o futebol, o basquetebol, o pugilismo, artes marciais, o mergulho, que podem danificar o cateter. Se pretende efetuar desportos que requerem maior esforço, deve consultar o médico e o enfermeiro para melhor adequar o tratamento à atividade física.

 

Cada vez mais estudos revelam que a fisioterapia e o exercício físico são partes integrantes dessa reabilitação, uma vez que contribuem de forma significativa na prevenção, no retardo da evolução e na melhoria de várias complicações apresentadas. No entanto, a adoção de programas de exercícios no doente renal crónico, como prática clínica e orientada por profissionais, ainda não se tornou rotina.

 

Quem pode praticar?

  • Quase todas as pessoas em diálise podem praticar exercício físico, dependendo da condição física e de outras doenças associadas.

  • Se tem ou já teve problemas cardíacos é imprescindível que fale primeiro com a sua equipa de saúde. O uso de uma banda e relógio que avaliem os seus batimentos cardíacos por minuto, serão, certamente, uma boa aquisição.

  • Se tem problemas em caminhar ou não pode caminhar, não desanime! O ideal é começar um programa regular de exercícios com um fisioterapeuta.

 

Lembre-se que deve falar primeiro com a sua equipa de saúde e demonstrar o seu interesse em iniciar-se na prática regular de desporto. Com toda a certeza, a sua equipa vai apoiá-lo e orientá-lo da melhor forma.

 

No que diz respeito à dieta, aconselha-se a limitar a ingestão de hidratos de carbono (açucares, pão, massa) pois o organismo já recebe um elevado teor destes constituintes da dieta através da glicose contida no líquido da diálise; deverá antes aumentar o consumo de proteínas, durante a diálise ocorrem perdas proteicas. É necessário compensar com alimentos ricos em proteínas tais como a carne, peixe e ovos. Deve-se usar calorias de alto valor biológico como as gorduras e cereais em quantidades suficientes. Uma dieta deve ter mais proteínas, menos farináceos e menos gorduras animais.

 

De acordo com um estudo publicado no “Journal of the American Society of Nephrology” (JASN), reduzir a ingestão de sal traz benefícios claros para a saúde do coração e dos rins de pacientes com doença renal crónica. Os resultados apontam para o poder de restrição de sal no potencial prolongamento a vida dos pacientes com doença renal.

 

Doentes em diálise peritoneal devem restringir o consumo de Sódio de 1,8g a 2,3g/dia. - A recomendação da ingestão de sódio é individualizada dependendo do volume e das perdas urinárias. O excesso de ingestão de sódio pode provocar um maior ganho de peso, edema, HTA e insuficiência cardíaca.

 

Recomendações importantes

  • Antes de se usar substitutos do sal, deve-se questionar a equipa de saúde sobre os mesmos pois, muitos deles, contém potássio em excesso, que, por sua vez, deve também ser evitado;

  • Evitar usar moderadamente as proteínas de baixo valor biológico como sejam a gelatina e o milho;

  • Controlar a ingestão da açucares, como os doces e encorajar os açucares complexos como os cereais no caso da existência de hiperglicemias;

  • Utilizar as gorduras restringindo as que são ricas em colesterol;

  • Álcool dever ser evitado.

 

Publicado: portaldadialise | 2017-06-02 13:00 Última atualização: 2017-06-02 14:40:20 Fonte: Tags : Alimentação, Diálise Peritoneal, Exercício físico
Partilhar:
Portal da Diálise

"Privilegia informação clara sobre a doença renal, assentando numa base de conhecimentos científicos actualizados"

Artigos Relacionados
Comentários