Alimentação & Receitas

A carambola é uma fruta tóxica, PROIBIDA para doentes com Doença Renal Crónica.

Comer carambola ou beber o seu sumo pode ser fatal para doentes com insuficiência renal crónica devido a uma toxina presente na fruta que deixa de ser filtrada pelos rins.

 

Doentes renais crónicos devem evitar de todas as formas o consumo de carambola pois esta fruta possui uma toxina que provoca altrerações neurológicas diversas desde confusão mental, agitação, insônia, fraqueza muscular, alteração da sensibilidade dos membros, convulsões, coma e até morte. 

 

Toxina da carambola 

Fruta abundante no Brasil é ameaça a pacientes com doenças renais

Como todos sabem a Carambola não é uma fruta típica do Brasil, sendo originária da Índia. Porém, foi introduzida aqui no Brasil em 1817, no Estado de Pernambuco que ela se tornou uma grande especiaria entre outras frutas típicas do nosso país.

Sua cor é verde ou amarela e possui um sabor agridoce. A caramboleira é uma árvore de pequeno porte, bastante usada na ornamentação de quintais e jardins. A fruta é bastante consumida na China, principalmente na fabricação de sobremesas.

O cultivo da carambola é indicado em regiões de clima quente e úmido. Em torno de 4 anos, a árvore já começa a dar os primeiros frutos. Uma caramboleira pode durar cerca de 50 a 70 anos.

A fruta possui um formato semelhante ao de uma estrela, por isso também é conhecida como “star fruit”. A carambola possui cinco gomos e uma polpa de consistência rígida. A fruta é encontrada na grande maioria das vezes, em pomares pequenos, quintais e sítios, seu cultivo não é feito em escala.

A carambola é uma fonte rica em sais minerais e vitaminas A, B1, B2, C, além de fósforo e potássio. A fruta é consumida in natura ou usada na fabricação de geléias, caldas, sucos e compotas.

 

Publicado: portaldadialise | 2016-03-28 16:34 Última atualização: 2016-07-24 19:28:29 Fonte: Especiarias pelo Brasil Tags : Fruta
Partilhar:
Portal da Diálise

"Privilegia informação clara sobre a doença renal, assentando numa base de conhecimentos científicos actualizados"

Comentários