Alimentação & Receitas

O cogumelo é um autêntico prodígio nutricional. Na sua essência, é constituído basicamente por água. Do ponto de vista nutricional, é de salientar o baixo valor calórico (cerca de 20-30 kcal/100g) e a baixa quantidade de gordura (0,1-0,5 g/100g). Pelo contrário, contêm um interessante valor proteico para uma fonte não animal, destacando-se os cogumelos brancos (3g proteína/100g). Esta característica e o facto de possuírem diversos aminoácidos essenciais, faz dos cogumelos um excelente alimento para vegetarianos. Contêm também algum conteúdo de fibra (nomeadamente hemiceluloses e pectinas), sobretudo os cogumelos da variedade Shitake (2,5g fibra/100g) e apreciáveis quantidades de vitaminas, minerais e substâncias com característicos antioxidantes. Ao nível dos micronutrientes, os cogumelos apresentam uma grande riqueza.

 

Na Insuficiência Renal Crónica (IRC), os rins reduzem a capacidade de excreção de potássio. A concentração de potássio deve variar entre 3,5 a 5,5 mEq/L. Concentrações elevadas deste mineral (hipercalémia), podem ser perigosas para o doente, podendo provocar diminuição da força muscular bem como problemas cardíacos graves. Em geral, os especialistas recomendam uma dieta que contenha, pelo menos, 4700 mg de potássio por dia (pessoa normal). No entanto, a maioria das pessoas com doença renal crónica, ou lesão renal aguda deve ingerir menos de 1500-2700 mg de potássio por dia. Para evitar elevadas concentrações de potássio no sangue, o doente deve conhecer os alimentos com maior teor de potássio, assim como algumas técnicas de redução do teor de potássio nos alimentos.

 

Este alimento é uma boa fonte de vitaminas do complexo B, nomeadamente riboflavina (vitamina B2), niacina (vitamina B3) e ácido pantoténico (vitamina B5). Curiosamente, os cogumelos silvestres são praticamente a única fonte alimentar de origem não animal a fornecer vitamina D. Os cogumelos fornecem quantidades muito apreciáveis de potássio, um mineral de grande importância na regulação da pressão arterial, na redução do risco de doença renal, doença coronária e que pode, provavelmente, ter um papel importante na melhoria do estado de saúde dos doentes diabéticos. Para além disto, este alimento é ainda uma boa fonte de fósforo, selénio e cobre. Realce-se o papel do selénio (100g de cogumelos fornecem quase metade das necessidades diárias deste nutriente) e as suas funções estruturais e enzimáticas no organismo, em particular como antioxidante, catalisador da produção hormonal e necessário ao bom funcionamento do sistema imunológico.

Os cogumelos caracterizam-se também pela grande riqueza em substâncias bioactivas, nomeadamente polifenóis, terpenóides, sesquiterpenos, lactonas, agentes quelantes, polissacáridos e glicoproteínas, algumas destas substâncias com elevada capacidade anti-oxidante e capazes de estimular as reações imunológicas do organismo e a resposta anti-inflamatória celular.

 

A alimentação em diálise constitui um pilar fundamental para o seu bem estar e para que o tratamento decorra em equílibrio e dentro dos parâmetros desejados. Consulte regularmente o seu nutricionista ou dietista e com ele esclareça acerca da sua alimentação e escolhas diárias. 

 

Os rins saudáveis eliminam o excesso de potássio através da urina, de forma a manter os níveis sanguineos de potássio controlados. No entanto, no doente renal crónico em hemodiálise, essa eliminação está comprometida. Portanto, deve ajustar a ingestão de potássio, de forma a prevenir a hipercaliémia, evitando ou reduzindo a ingestão de alimentos mais ricos nesse mineral, de acordo com as recomendações nutricionais do seu dietista/nutricionista.

O consumo de cogumelos de forma abundante poder-se-á refletir no aumento dos níveis potássio no sangue, na pessoa com insuficiência renal crónica, neste caso o cogumelo e um alimento desaconselhado por serem muitos ricos em potássio.

 

As principais consequências da hipercaliémia são:

  • Fraqueza muscular, por exemplo, com falta de força nas pernas e incapacidade para andar;

  • Alteração do ritmo cardíaco e palpitações;

  • Paragemm cardíaca.

 

Uma alimentação correta é fundamental para a saúde. Para o doente que faz Hemodiálise (HD), Diálise Peritoneal ou Transplantado, uma alimentação equilibrada irá melhorar a sua qualidade de vida. Uma dieta especial é parte integrante do seu tratamento.

Desta forma, não deve prescindir do apoio do seu dietista/nutricionista que o auxiliará a conhecer os alimentos mais ricos em potássio, quais os recomendados e quais a porções indicadas, adequadas e seguras para si, no seu dia-a-dia, com especial atenção e cuidado no período em que fica mais tempo (fim semana) sem fazer hemodiálise.

Publicado: portaldadialise | 2017-11-17 12:37 Última atualização: 2017-11-17 14:26:01 Fonte: Tags : Alimentação, Potássio
Partilhar:
Portal da Diálise

"Privilegia informação clara sobre a doença renal, assentando numa base de conhecimentos científicos actualizados"

Artigos Relacionados
Comentários