Hemodiálise

Diálise em férias? Sim, é possível!

Os meses de Verão são, por excelência, os meses que associamos às férias, às paisagens paradisíacas de mares calmos ou grandes cidades cheias de tesouros por descobrir. No entanto, para quem precisa de realizar diálise, as férias fora de casa podem afigurar-se como algo impossível pois o tratamento dialítico tem de ser realizado com a mesma frequência.

Contudo, o tratamento de diálise não pode nem deve ser um impeditivo para ir de férias. Pelo contrário, a saída da rotina para si, que tem uma doença crónica, poderá ajudá-lo a lidar melhor com a doença e com as limitações inerentes, permitindo uma saída da rotina com a possibilidade de usufruir de algo novo e retemperador de energias. O essencial é que se planeie tudo com a devida antecedência!

 

Se é a primeira vez que viaja

  • Se é a primeira vez que, como doente renal e a realizar hemodiálise, pretende ir de férias, deve optar por fazer uma viagem curta. Pode fazer um programa de fim-de-semana se, por exemplo, a sua diálise é às segundas, quartas e sextas. Planeie sair de casa na sexta-feira, após o tratamento e regresse no domingo, de forma a ainda descansar bem antes do tratamento de segunda-feira.

  • Deve levar sempre os seus documentos, medicação e avisar a equipa de saúde que o segue. Além disto, deve verificar se para o(s) local(ais) onde vai, existem hospitais gerais ou clínicas com serviço de urgência, para o caso de acontecer algum imprevisto e necessitar de cuidados médicos.

  • Se se sentir inseguro, pode sempre viajar com um pacote que inclua já a realização da diálise. Há agências de viagens que já têm pacotes completos, nomeadamente cruzeiros e roteiros em grandes cidades, que reservam as viagens. Fale com a sua equipa de saúde, para todos juntos, descobrirem a melhor opção e que vá ao encontro das suas preferências.

  • Se faz a diálise peritoneal, deve avisar, também, a equipa que o segue e seguir as suas orientações.

 

Se quer fazer férias em Portugal

  • Deve escolher o destino e o período de férias e informar a sua equipa de saúde, de forma a verificar se há disponibilidade, na clínica ou hospital mais perto do destino, para dar continuidade ao tratamento de hemodiálise.

  • O contacto com a sua equipa de saúde deve ser realizado com, pelo menos, 10 dias de antecedência do início das férias.

  • A equipa enviará um pedido para a clínica ou hospital com o período de férias definido e o turno que prefere

  • Se o hospital ou clínica tiverem disponibilidade, informarão a sua unidade de diálise e dar-se-á a recolha dos dados clínicos precisos.

  • No caso de não haver receptividade, tentar-se-á uma vaga na clínica ou hospital mais próximos.

  • Deverá assinar um termo de responsabilidade para esta deslocação, junto do seu médico de família. O documento é enviado à unidade onde irá realizar os tratamentos de diálise nas férias ou entregue em mão por si, aquando do primeiro tratamento.

  • Antes de partir, tem de levar um relatório médico actualizado e a medicação necessária para esse período, bem como todos os documentos de identificação.

  • Em férias, o transporte para se deslocar à unidade onde vai fazer hemodiálise, fica a seu cargo.

  • No caso de realizar a diálise peritoneal, deve avisar, também, a equipa que o segue e seguir as suas orientações. É possível levar os solutos e/ou a máquina que necessita mas também há a viabilidade de se combinar com o laboratório farmacêutico e este enviar os solutos para a morada onde vai ficar, nas férias.

 

Se quer fazer férias no estrangeiro

  • Se for de férias para fora do país deve assegurar-se que os seguintes documentos estão dentro da validade e actualizados: Cartão de Cidadão ou Passaporte e Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD), se for para a Europa.

  • Tem de comunicar à sua equipa de saúde o local para onde pretende ir e o período de férias.

  • Deve gerir, com a sua equipa de saúde, os contactos com a clínica ou hospital onde quer realizar hemodiálise, enquanto estiver no estrangeiro.

  • Em férias no estrangeiro, o transporte para a unidade de hemodiálise fica a seu cargo.

  • Se o seu destino for um país que não esteja abrangido pelo cartão europeu de seguro de doença, informe-se com a sua equipa do eventual valor e forma de pagamento das sessões de diálise.

  • No caso de realizar a diálise peritoneal, é possível que as caixas dos solutos sejam entregues no local onde vai realizar férias. Normalmente a máquina vai consigo, mesmo de avião.

 

Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

  • Para se deslocar na Europa, necessita de ter o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença actualizado. Pode solicitá-lo nos Centros Distritais da Segurança Social do distrito onde reside; nos Serviços Locais; nas Lojas do Cidadão; junto do subsistema de saúde público (ADSE, SSMJ, etc.) ou particular, se for o caso; ou online, através do link http://www4.seg-social.pt/.

  • Em regra, é remetido para casa do titular dentro de cerca de 7 dias úteis após a recepção do pedido. Em caso de urgência, pode ser emitido um Certificado Provisório de Substituição.

  • Tem validade, normalmente, de 3 anos.

  • Pode utilizar o seu CESD em 31 Estados: 27 Estados-Membros da União Europeia (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslovénia, Estónia, Grécia, Espanha, Finlândia, França, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, República Eslovaca, Roménia e Suécia); 3 Estados-Parte do Espaço Económico Europeu (Islândia, Liechtenstein e Noruega) e Suíça.

  • O CESD permite-lhe que tenha acesso aos cuidados de saúde necessários em todo o espaço, de forma gratuita ou a um custo reduzido (eventualmente terá que pagar as taxas moderadora em vigor no Estado-Membro).

  • Nas situações de tratamento de diálise o CESD garante o acesso e a cobertura dos custos de forma total, ou seja, o tratamento é gratuito.

  • O CESD não é, contudo, uma alternativa ao seguro de viagem. Ele não cobre quaisquer cuidados médicos privados ou o custo relacionado por exemplo com o seu extravio ou roubo.

 

De uma forma geral

  • Fazer uma lista do que levar na mala é sempre uma boa ideia, pois evita esquecimentos.

  • Se vai viajar de avião e leva medicação, leve consigo as prescrições e um resumo da sua condição clínica, devidamente assinado pelo seu médico, de forma a comprovar a toma de medicação e evitar problemas antes de embarcar e/ou alfandegárias.

  • A nível da prescrição e informação clínica, deve estar explícito o princípio activo da medicação em uso e a quantidade que leva consigo.

  • A medicação deve ser o dobro em relação à quantidade calculada. Para minimizar os problemas decorrentes de extravio, uma parte dos medicamentos deve ser transportada na bagagem de mão e a outra deve ser enviada junto com a bagagem despachada.

  • Não se esqueça que a medicação liquida com capacidade superior a 100ml, não pode ser transportada em bagagem de mão, só no porão.

  • Faça um cronograma das suas actividades para os dias de férias. Primeiro deve assinalar os dias e horas em que fará o tratamento de diálise. Depois tente encaixar as atracções turísticas que quer visitar (museus, exposições, parques temáticos), sabendo de antemão os horários de abertura das mesmas e os eventuais dias em que estão encerradas. Desta forma, não ficará frustrado se não conseguir ver alguma atracção.

  • Se vai para a praia, tenha os devidos cuidados com as horas de maior calor (pode tentar optar por realizar hemodiálise nesse período) e o sol. Proteja os seus acessos vasculares por onde realiza a diálise e cuidado para não desidratar, uma vez que não pode ingerir muitos líquidos.

  • Leve na mala um kit de emergência com compressas estéreis, líquido desinfectante e adesivo, sempre em quantidades superiores às que acha que vai mesmo precisar.

  • Se vai fazer a maior parte das suas refeições no hotel onde está hospedado, faça um contacto prévio com o mesmo, de forma a expor a sua condição de saúde e de forma a saber se podem adequar alguns produtos/refeições à sua situação.

  • Se não conseguir fazer um contacto prévio, avise no primeiro dia e tente chegar a um consenso com a equipa da cozinha. Normalmente, são compreensivos com doenças específicas e poderão ajustar as refeições ao gosto do cliente.

  • Se vai fazer as refeições fora ou não conseguiu que o hotel lhe assegurasse as refeições adequadas ao seu estado de saúde, siga as dicas deste artigo: https://www.portaldadialise.com/articles/almocar-ou-jantar-fora-com-seguranca-doente-renal

  • Se viajar para o exterior, avalie a possibilidade de compra de seguro de viagem. A maioria dos planos de seguro de viagem cobrirá cuidados de emergência médica no exterior e até mesmo transportá-lo para casa em caso de emergência. No entanto, este seguro não cobre os tratamentos rotina de diálise

 

Resumindo, o essencial é planear com tempo o seu período de férias e ter na sua equipa de saúde o apoio e a ajuda necessária para desfrutar de uns belos e merecidos dias de descanso. Informe-se também de packs turísticos que várias empresas fazem, já incluindo o tempo para a realização da hemodiálise, nomeadamente cruzeiros e roteiros de cidades.

Não deixe que a doença lhe retire o prazer de conhecer nem que a rotina dos seus tratamentos o impeçam de ser livre e realizado. Lembre-se que é tudo uma questão de organização e planeamento!

 

Publicado: portaldadialise | 2014-08-01 02:04 Última atualização: 2016-07-19 13:46:59 Fonte: Tags : Férias
Partilhar:
Portal da Diálise

"Privilegia informação clara sobre a doença renal, assentando numa base de conhecimentos científicos actualizados"

Comentários